Avisar sobre conteúdo inadequado

Absinto, a fada verde

{
}

 TAGS:O absinto é uma bebida mítica, adorada, insultada e, finalmente, proibida e escondida em um fundo de mistério, disponível apenas para os conhecedores.

Muitos associam o absinto ao pastis e ao Ricard, mas na realidade é que é uma bebida diferente, da qual hoje lhe contamos sua origem e os motivos da lenda:

O absinto foi descoberto no final do século XVIII, e lhe foram atribuídos efeitos medicinais. O absinto é um destilado de ervas, entre as quais têm especial destaque o anis e a erva-doce, mas geralmente são combinadas com outras plantas, como coentro, zimbro e alcaçuz.

O absinto é chamado de  fada verde porque é considerado uma bebida com efeitos alucinógenos, capazes de inspirar artistas. Assim começou a ser conhecido como "A Musa Verde" ou "A Fada Verde". Na verdade, a sua cor pode ser cristalina, como a de outros destilados. É verde quando é destilado e tem adicionada a clorofila da própria planta, e, em geral, é vendido em qualquer cor, com a adição de corantes (incluindo o próprio verde).

Como a maioria dessas plantas são arbustos de clima mediterrânico,  as melhores destilarias de absinto estão localizadas em Valência, Catalunha e Ilhas Baleares, na Espanha, e também em Marselha, França.

Durante anos, o uso do absinto foi apenas medicinal. Foi oferecido para as tropas francesas como um antipirético. Quando as tropas que regressavam do frente continuaram a consumir, o absinto começou a ser distribuído em bares. E então começou a sua lenda negra.

A planta destilada para obter o absinto é um arbusto venenoso. Tem um composto chamado tujona, que tem um efeito semelhante ao THC da canábis, e dizem ser alucinógeno se consumido em grandes doses.

Além disso, o consumo prolongado de absinto no tempo, como a canábis, causa ataques de ansiedade e depressão. A isto deve ser acrescentado o elevado grau de álcool que absinto pode atingir (até 82º após a destilação, se bem que geralmente cortados com água no caso de absintos mais tradicionais, a ficar nos 40°), o que o torna um producto altamente perigoso se não for consumido com moderação.

No final do século XIX, os efeitos do absinto eram conhecidos em toda a Europa. Foi especialmente popular em Paris, no auge da Bohemia. Diz-se que quando Van Gogh cortou a orelha, o fez sob a influência da bebida. Os grandes pintores impressionistas franceses (Monet, Manet, Degas e Toulouse-Lautrec) eram usuários abtuais, e dizem que algumas de suas obras são inspiradas sob os efeitos alucinógenos do absinto.

Durante a sua estada em Paris, Picasso conheceu o absinto e se declarou admirador. Foi a bebida mais consumida e importante durante os primeiros anos do século XX, da qual eram fiéis outros grandes artistas como Hemingway, Rimbaud e Baudelaire.

Durante esses anos, houve um grande aumento no número de suicídios, principalmente entre as pessoas de vida boémia, impulsionados por uma crescente crise existencial no período entre guerras. As pontes de Montparnasse foram os locais preferidos para jogar-se ao vazio e acabar com tudo.

As autoridades, ao tentar encontrar uma explicação, rapidamente culparam o absinto. Se sabia que esta bebida causava depressão e alucinações, por isso tornou-se a causa oficial de suicídios. Foi proibido na França. Rapidamente a proibição foi estendida à maioria dos países europeus, com excepção da Espanha e Portugal, onde o consumo não era grande.

Ao não ser proibido, na Espanha foram criadas destilarias que acudiram à receita tradicional, que hoje sao as produtoras de absinto de melhor qualidade do mercado. Na França, no entanto, as marcas tradicionais como Pernod Ricard começaram rapidamente a desenvolver substitutos, como o pastis, destilados de ervas de até 60°, mas sem a inclusão da planta de absinto.

Com o tempo, a proibição foi levantada em parte da Europa e grande parte dos Estados Unidos, e agora é conhecido que os efeitos colaterais são mais associados com alto teor alcoólico do absinto, e com certas adulterações realizadas no momento para acompanhar a demanda.

Ainda assim, e sempre com as devidas precauções, recomendamos experimentar o absinto, por seu gosto, e conhecer em primeira mão a bebida que inspirou tantos gênios das artes. Do absinto disse Oscar Wilde : "Depois do primeiro copo, você vê as coisas como você gostaria fossem. Após a segunda, você vê coisas que não estão lá. Finalmente, acaba-se vendo as coisas como elas são, e é isso é o pior que pode acontecer."

Se você quiser experimentar o absinto, recomendamos alguns dos mais clássicos, para mais fidelidade à receita original:

 

 TAGS:Absinto Collector Mari MayansAbsinto Collector Mari Mayans

Absinto Collector Mari Mayans:  Mari Mayans é uma das destilarias que mais estão a fazer para renovar a imagem do absinto. Reembalado, de forma triangular, e o verde-claro do absinto é acompanhado também por seu aroma e sabor a ervas muito perfumadas e anis. Excelente.

 

 

 TAGS:Absinto Hapsburg Gold Label 50clAbsinto Hapsburg Gold Label 50cl

Absinto Hapsburg Gold Label 50cl: O absinto mais forte do mercado. Com quase 90° de álcool, tem uma cor ciano muito mais clara, e um aroma que lembra também o do anis e mel tostada. Poderoso.

 

 

 TAGS:Absinthe la Fée NvAbsinthe la Fée Nv

Absinthe la Fée Nv: Outra das marcas clássicas com um toque moderno. Neste absinto pode notar sabores frutados, maçã verde e pêra. O mais refrescante.

{
}
{
}

Deixe seu comentário Absinto, a fada verde

Entra em OboLog, ou cria seu blog grátis se você ainda não esta cadastrado.

User avatar Your name