Avisar sobre conteúdo inadequado

Estudos: vinho, olfacto e memória

{
}

 TAGS:undefinedUma investigação desenvolvida em Las Vegas concluiu que escanções e provadores de vinho possuem zonas do cérebro mais desenvolvidas do que as outras pessoas. O estudo indica que estas zonas estão directamente relacionadas com a memória, e que podem diminuir as possibilidades do aparecimento de doenças como o Alzheimer.

A chave deste descobrimento está no olfacto. Devido à sua profissão, os especialistas do vinho têm este sentido mais desenvolvido do que o habitual. O seu trabalho ao longo dos anos tem consequências no nível de percepção aromática e no exercício de determinadas áreas cerebrais. Deste modo, o estudo conclui que ao exercitar o sentido do olfacto, o trabalho desempenhado pela memória também se desenvolve, o que pode constituir uma prevenção do Alzheimer.

A investigação foi levada a cabo por Sarah Banks, neuropsicóloga do Centro de Saúde Mental de Cleveland, e pretendia responder à pergunta: “Porque é que os especialistas provadores de vinho, podem detectar aromas e sabores que as restantes pessoas não identificam?”

Para o estudo foram efectuados scanners da actividade cerebral de 13 escanções e 13 amantes de vinho quando expostos a aromas de vinho e fruta. Na conclusão foi comprovado o facto de que os especialistas conseguem detectar cheiros não percebidos pelos outros participantes. Porém, o maior descobrimento foi o de localizar as zonas do cérebro, que são exercitadas quando o sentido do olfacto entra em acção, entre estas zonas encontram-se precisamente aquelas que são susceptíveis de sofrer doenças relacionadas com a memória.

“Esta é uma boa notícia para os escanções, já que, possivelmente, possuem alguma protecção contra o Alzheimer”, afirmou a Dra. Banks numa recente entrevista com a cadeia de televisão americana CBS. Ainda que neste momento seja apenas uma conjectura, a neuropsicóloga indica que esta é uma informação que permite continuar a investigar a memória, e, por consequência, obter respostas a nível de prevenção e tratamento das doenças que a podem afectar.

Definitivamente, vale a pena cheirar cada copo de vinho antes de o beber, seja para saborear uma experiência dos sentidos ou melhorar a nossa memória.

 

 TAGS:Palato do Côa Reserva Branco 2014Palato do Côa Reserva Branco 2014

Palato do Côa Reserva Branco 2014

 

 

 TAGS:Quinta de Roriz Reserva 2010Quinta de Roriz Reserva 2010

Quinta de Roriz Reserva 2010

{
}

Deixe seu comentário Estudos: vinho, olfacto e memória

Entra em OboLog, ou cria seu blog grátis se você ainda não esta cadastrado.

User avatar Your name