Avisar sobre conteúdo inadequado

Harmonizaçao de vinhos: 5 conselhos básicos

{
}

 TAGS:A harmonização de vinhos pode parecer uma experiência esmagadora quando se é o anfitrião do jantar. Os entusiastas do vinho e os peritos, durante anos dominaram a capacidade de combinar um determinado prato com um vinho substancial. Porém na verdade, a harmonização do vinho não é equivalente à ciência moderna dos nossos dias. Aquilo que necessitas são apenas algumas indicações básicas sobre o vinho, de forma a criar uma harmonia de sabores no teu próximo jantar. Aproveita estes conselhos de harmonização de vinhos!

Antes de abordar a tarefa de decidir que vinho escolher, é importante compreender os sabores que se encontram naturalmente no vinho. A elaboração do vinho é um processo muito pormenorizado, e uma das partes vitais de obter a sua essência encontra-se nas diferentes castas de uva. Os sumos de uvas,  prensadas nas primeiras fases de elaboração do vinho, são combinados com levedura para produzir álcool e dióxido de carbono. É durante este processo de fermentação que se extraem e desenvolvem os sabores de um vinho.

Apesar dos produtores de vinho se orgulharem da complexidade dos vinhos que produzem, eles possuem sabores muito básicos, começando porque dependem do tipo de uva utilizada. Quanto ao sabor, o vinho pode ser doce, ou ácido, este geralmente é classificado como vinho ?ácido?. Outros vinhos são amargos e deixam uma sensação de língua ?encortiçada?. A utilização de álcool e de sal na cozinha também podem afetar o sabor de um vinho. Os vinhos que possuem um alto teor de álcool tendem a ser mais encorpados. Porém, geralmente é o processo de envelhecimento do vinho o que desenvolve completamente o seu bouquet.

Ouve-se falar frequentemente da associação com os taninos do vinho, vinhos especialmente tintos. Os taninos derivam de substâncias orgânicas como as grainhas da uva, utilizadas na fabricação do vinho. O grau de força que podem atingir os taninos no produto final, pode depender de como é prensada a uva nas primeiras fases da elaboração do vinho. Os taninos são mais fortes nos tintos novos mas geralmente abrandam com a idade, e não só ajudam ao processo de envelhecimento, como também podem afetar bastante o sabor de um vinho. Por esta razão, os vinhos muito tánicos são envelhecidos durante grandes períodos de tempo. Este tipo de vinhos, quanto mais tempo envelhece, mais sabor e corpo tem quando se abre. Quando se trata de harmonização, deves saber o quanto esse vinho é novo e tánico, pois ele desempenhará um papel importante no que escolheres para servir aos teus convidados.

A harmonização deve ter em conta o sabor do que vais servir, se o planificas antecipadamente pode implicar o jogo de escolher um vinho para acompanhar um determinado prato. Os conselhos básicos que se seguem proporcionam-te o conhecimento que necessitas para tomar as decisões adequadas.

  • Harmonização de vinhos, conselho nº1: Encontra um vinho que gostes de beber

Em primeiro lugar, quando queres combinar um vinho com um prato, encontra um que normalmente tenhas prazer em beber. Não te preocupes pela ?qualidade? de um vinho, ou pela sua classificação nas revistas mais recentes sobre vinhos. Independentemente do que os peritos classifiquem como os melhores vinhos, o vinho deve ser aquele que tu gostas de beber.

Quando encontras um que te agrada, guarda a rolha, ou anota a informação da etiqueta, para o poderes voltar a encontrar em outra ocasião. Na verdade, é assim como muitos dos amantes de vinho encontram os seus vinhos mais apreciados.

A harmonização de vinho é uma experiência sensorial total, que vai desde o sabor que o vinho e os alimentos despoletam na boca, até aos aromas que invadem a sala ao decantar o vinho e ao servir os pratos.

  • Harmonização de vinhos, conselho nº2: Os vinhos suaves são servidos antes dos vinhos encorpados.

A regra básica para a harmonização do vinho consiste em servir primeiro os mais suaves e depois os mais encorpados, ou seja mais tánicos. Normalmente, os mais suaves costumam ser vinho branco como Sauvignon Blanc, Pinot Grigio, Chardonnay e espumantes. Também existem alguns tintos de corpo suave, como por exemplo o Pinot Noir, que também se pode servir no inicio da refeição. Os vinhos mais lsuaves podem ser combinados com saladas, sopas ou aperitivos. Ao servir pratos de aves de capoeira, ou de peixe geralmente utiliza-se um vinho branco ou um tinto suaves.

Os pratos mais pesados, de carnes vermelhas e cabrito, merecem vinhos mais ricos e espessos, tais como o Bordéus, Cabernet, ou inclusive um Borgonha francês. As sobremesas, dependendo da quantidade de açúcar que levem, podem ser servidas com vinhos brancos frios, como o Sauternes, ou com um Porto.

  • Harmonização de vinhos, conselho nº3: Quando o prato for de cozinha regional deves combina-lo com vinhos da mesma região.

Os vinhos são desenhados e produzidos para se vincularem aos alimentos. Que melhor forma de obter uma experiência regional completa, de uma determinada cozinha, se pode conseguir senão combinando-a com um vinho da mesma zona? Os produtores de vinho de todo o mundo criam vinhos preparados com os mesmos ingredientes disponíveis para a alimentação de uma dada região. O solo pode proporcionar especiarias únicas, em regiões especificas do mundo, aplicadas como ingrediente principal tanto na produção de vinho, como na preparação dos alimentos.

Chega mesmo a ser divertido descobrir como se fundem bem, os sabores e os temperos quando se encontram combinados à sua cozinha regional. Se estás a confecionar um prato francês  irresistível, com molhos delicados e carnes saborosas, opta por vinhos franceses. Molhos suaves podem ser servidos com um vinho branco ou tinto de Borgonha, enquanto que os molhos mais pesados se podem combinar com um Bordéus bem encorpado. Os italianos, por exemplo, orgulham-se dos vinhos que produzem e criaram molhos perfeitos para massas, de forma a harmonizar com um vinho em particular.

Se te decides por pratos de massas da cozinha do Norte de Itália, ou pela cozinha regional da Toscana, podes encontrar alguns vinhos italianos de sabor adequado em qualquer loja de bebidas ou garrafeira.

  • Harmonização de vinhos, conselho nº4: É importante encontrar um equilíbrio na harmonização de vinho.

Quando combinas um vinho com um prato, deves estar atento à complexidade dos pratos que serves aos teus convidados. Os sabores e os alimentos extremamente complexos devem ser combinados com vinhos de sabores simples, enquanto que os vinhos de sabores complexos devem acompanhar pratos simples, mas saborosos.

O tipo de comida que sirvas pode transformar o sabor de um vinho, já que as especiarias naturais utilizadas em cozinha podem destacar ou dominar um vinho. Por isso é importante saber o que se vai cozinhar antesde escolher os vinhos que se vão servir. Os ácidos e taninos de um vinho podem interatuar com o tempero utilizado nos molhos ou com os sabores naturais das carnes.

Quando procuras o equilíbrio entre um prato e um vinho, tem em conta a questão dos sabores opostos, como o doce e o picante. Por exemplo, os pratos picantes da cozinha tailandesa, e alguns espanhóis, podem ser servidos com vinhos adamados para ajudar a equilibrar o calor associado a este tipo de pratos.

  • Harmonização de vinhos, conselho nº5: Aprende a combinar vinhos e queijos.

Combinar vinho e queijo é uma prática secular. É habitual vermos servir um prato de queijos no decorrer de uma refeição, como parte constituinte que é, do banquete. No entanto, alguns queijos podem ter um sabor dominador, que deve ser suavizado com um vinho particular. Decidir que queijo servir pode depender do vinho que tens à tua disposição.

Si estás a começar desde 0, decide-te pelo teu vinho favorito, ou pelo queijo que gostarias de servir, e  então escolhe o companheiro adequado para ele. Tal como o vinho, os queijos podem ter uma enorme variedade de sabores. Um queijo mais picante, como o queijo-azul, deverá ser acompanhado com vinhos adamados que ajudem a esbater o impacto deste tipo de queijos. Os queijos delicados ou suaves, como o Cheddar, podem ser combinados com tintos suaves.

O queijo de cabra pode parecer impossível de combinar, devido ao seu aroma e sabor, no entanto, ao acompanha-lo com um vinho branco seco encontraremos uma agradável experiência. A maioria dos queijos moles pode ser combinada com praticamente todo o tipo de vinhos, incluindo grande parte dos espumantes e champanhes.
Seguindo simplesmente estes conselhos de harmonização de vinhos, já podes atrever-te ao jogo de selecionar os vinhos perfeitos para acompanhar um jantar. Quantos mais pratos sirvas aos teus convidados, maior variedade de vinho necessitarás para acompanhar cada um deles. Sejam oito pratos diferentes, ou simplesmente hambúrgueres, podes encontrar o vinho perfeito. Com um pouco de preparação, podes converter o teu jantar numa agradável obra maestra de harmonização de sabores para todos.

{
}

Deixe seu comentário Harmonizaçao de vinhos: 5 conselhos básicos

Entra em OboLog, ou cria seu blog grátis se você ainda não esta cadastrado.

User avatar Your name