Avisar sobre conteúdo inadequado

Vinhos e outros digestivos

{
}

Grappa, conhaque, brandy, whisky de malte ou armagnac são apenas alguns dos membros da numerosa família dos digestivos, essas bebidas veneradas pela sua capacidade de colaborar no processo digestivo, principalmente devido ao alto teor alcoólico e inclusive pelas ervas ou óleos que o conformam. Os fãs destas bebidas chamam-lhes pousse-café (depois do café) devido ao momento em que se costumam tomar e aconselham servi-los, praticamente todos, a temperatura ambiente, exceto a grappa, que habitualmente se toma fria e o conhaque, que deve ser ingerido à mesma temperatura do corpo - 36ºc.

 -

 Muitas vezes confundidos com os aperitivos, estimulantes do apetite, os digestivos distinguem-se pelo seu corpo, geralmente fornecido pelo elevado teor alcoólico e o caráter seco e amargo. No entanto, não são apenas os destilados que fazem parte deste grupo seleto. Também aqui se encontram os vinhos fortificados como o Porto, o Xerez e o Madeira. A estas bebidas, antes de terminarem a sua fermentação, é adicionado um volume de álcool mais elevado e portanto são geralmente doces. Do mesmo modo, também é possível tomar como digestivos os licores doces como: Chartreuse, Benedictine, Cointreau, Drambuie, Grand Marnier, Curaçao e Frangelico, ou seja, bebidas alcoólicas com infusão de aromas, sabores e inclusive propriedades, como o Fernet, uma conhecida bebida amarga à base de ervas carminativas.

 Com a descoberta dos digestivos foi também encontrada uma cura alternativa às pestes contraídas pelo consumo de águas contaminadas, e por isso lhe chamam ?água da vida?. São ainda conhecidos como ?bebidas espirituosas?, devido ao facto do que permanece na destilação do líquido, ser precisamente o coração, o espírito da bebida.

 A essência é obtida através da subtração e concentração do álcool e dos sabores adicionados como a laranja, ervas e frutos secos. A extração é realizada ao condensar os vapores da poção macerada, depois de ter sido aquecida.

 Estas águas milagrosas de diferentes proveniências, têm no entanto, uma característica particular em comum: tratam-se, quase todos, de produtos destilados em pequenos alambiques ou caldeiras. Por este motivo, a sua elaboração exige um cuidado quase artesanal. Este é o caso dos destilados de vinho conhecidos como conhaque, armagnac e brandy, que adquirem as suas denominações, dependendo da zona onde são produzidos. Por exemplo, os dois primeiros pertencem a uma região específica de França e o brandy é o nome genérico que obtêm todos os destilados de vinho, de qualquer outra cidade. Também se encontram os concentrados de frutas fermentadas, como o de ameixa ou pera. O mais conhecido entre eles, talvez seja o de cereja, chamado Kirsch, ou o de maçã, denominado Calvados, tal como a região onde se elabora.

{
}

Deixe seu comentário Vinhos e outros digestivos

Entra em OboLog, ou cria seu blog grátis se você ainda não esta cadastrado.

User avatar Your name